domingo, maio 07, 2017

Populismo com o rabo de fora

Parece que nas próximas eleições autárquicas vai aumentar o número de candidatos independentes às câmaras municipais. Daí não viria mal ao mundo. 
Porém, quando o "independentismo" dos candidatos aparece aliado ao populismo anti-partidos, o caso muda de figura. Ninguém é obrigado a filiar-se em partidos nem esse facto é impeditivo de intervir politicamente. 
No entanto, a experiência demonstra que sem partidos não há democracia nem liberdade, pelo que, quando se atacam e se tentam afastar os partidos, ataca-se a democracia.
Quem não entende isso, ou é ingénuo, ou é perverso.
A candidatura de Rui Moreira à câmara municipal do Porto parece imbatível, mas se ganhar com base na propaganda anti-partidos, perde a democracia e perde o Porto.
Sendo uma cidade de tradição oligárquica, o surgimento de personalidades que lideram sem concorrência diferentes sectores da sociedade portuense é bastante comum. 
Porém, quando isso acontece na área política, as cedências ao populismo são inevitáveis.
Quem andou a vangloriar-se de que em Portugal felizmente não havia os movimentos populistas que proliferam noutros países europeus falou antes do tempo.


1 Comentários:

Às 08/05/17, 00:51 , Blogger Célia disse...

O comentário anterior era meu.
Peço desculpa, mas não estava registada.
:)
Boa semana.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial