segunda-feira, setembro 18, 2017

Chafurdar

Gostaria de começar esta frase escrevendo: "alguma imprensa gosta de chafurdar na imundice". Infelizmente não posso. Tenho mesmo de escrever: a maioria da imprensa gosta de chafurdar na imundice.

Poderia pensar-se que a imprensa se reporta à imundice dos outros, mas embora em certos casos isso possa ser verdade, noutros que não poucos, é a própria imprensa que cria os factos imundos ou lhes cola a imundice.

Fernando Medina terá trocado de casa, tal como terão feito milhares de portugueses. Medina, porém, é presidente da Câmara de Lisboa, vai candidatar-se a novo mandato e é do PS, o que para a imprensa controlada pela direita, a tal maioria, é razão suficiente para suspeitar de que a troca de casas não foi transparente. Inventar uma narrativa justificativa da sua própria invenção foi o passo seguinte. Que o resto da imprensa se fez eco da inventona também não surpreende.

Para os portugueses também já não é novidade que a imprensa está feita com os partidos de direita. criar e deturpar factos para prejudicar o governo e o PS é a sua principal função. O resto, ou seja, o jornalismo independente não existe em portugal. Está todo controlado. O seu engajamento à direita é público e notório.
A história da casa de Fernando Medina é apenas mais um exemplo de uma história intencionalmente mal contada.

sábado, setembro 16, 2017

Subir de nível

Portugal nunca foi lixo, mas os mercados só respeitam o capital  e atiram para uma lixeira que inventaram os países que passam por dificuldades. A partir desse momento abandonam-nos à sua sorte e tem de ser o FMI a recupera-los para que os investidores recomecem a conceder crédito a esses países.

Portugal já passou por esse calvário várias vezes - duas depois do 25 de Abril - e a última é bem recente. 
Sair da lixeira é uma benesse para os ministros das finanças que deixam de ter problemas para financiar o país. 
As declarações de António Costa e do ministro Centeno refletem isso mesmo. Já a afirmação de Passos Coelho, garantindo que se os portugueses o deixassem continuar a governar teríamos saído da lixeira há mais tempo, são fruto da dor de cotovelo que o aflige desde que foi corrido e merecem uma sonora gargalhada.
As políticas que obtiveram os resultados que permitiram subir o nível do país não são apenas diferentes das políticas que governo PSD/CDS impôs. São opostas...

Com Passos continuaríamos no lixo. Os portugueses perceberam isso ao recusar-lhe um segundo mandato.

quinta-feira, setembro 14, 2017

Jogo sujo

As eleições autárquicas estão à porta. Como habitualmente, espera-se que a lei seja cumprida e os portugueses votem macissamente.
Há no entanto algumas ameaças: pelo cumprimento da lei zelam os tribunais, que anunciaram fazer greve no dia das eleições... Seria a primeira vez que um órgão de soberania faria greve. Já imaginaram os outros órgãos de soberania, Governo, Presidente da República e Assembleia da República, fazerem greve? Um absurdo. 
Esperemos que o bom senso prevaleça também nos tribunais, como manda a tradição na justiça.

No futebol o bom senso é um bem mais escasso. O bom senso e o sentido de responsabilidade deveriam bastar para que a Federação Pirtuguesa de Futebol não marcasse jogos para os dias em que há eleições, mas parece que está à espera que o governo o proíba, pois refugia-se no vazio legal para justificar os jogos nesses dias. 
Talvez a imaturidade cívica na FPF obrigue o governo a decretar essa proibição, mas provavelmente não vai a tempo de evitar o "boicote" da FPF às próximas eleições autárquicas.
De boicote em boicote, a democracia lá se vai aguentando, mas não lhe fazem bem nenhum.
(Inspirado aqui)


terça-feira, setembro 12, 2017

Furto de Tancos

O hipotético desaparecimento de material de guerra armazenado em Tancos está a deixar muita gente nervosa.
Por enquanto, porém, este furto ainda não passou de um "alegado furto", a não ser que os nervosos do PSD/CDS e comentadores conexos tenham  acesso a informações que os investigadores desconhecem. 

Se um alegado furto, ou outro qualquer alegado acontecimento ainda não provado, faz rolar a cabeça de ministros, talvez vivamos num alegado estado de direito...

Alegar é fácil, provar é mais complicado. 

domingo, setembro 10, 2017

A negação da democracia


Que Passos Coelho está preso no labirinto que ele próprio criou, poucos duvidam. A sua substituição na liderança do PSD é tão previsível como a mudança de um treinador de futebol numa equipa que acumula derrotas. É dos livros.

Que haja comentadores que "não vislumbrem no PSD um único sucessor capaz", é revelador do enquistamento da direita do PSD, que Passos representa, pois, num partido com a sua dimensão, afirmar que não há alternativas à liderança equivale a uma negação da democracia. Há sempre alternativas, embora nem todas agradem a todos, mas a democracia é assim mesmo.

Os comentadores que querem "manter o PSD no espaço político que hoje ocupa" são os mesmos  que apoiaram a  política desastrosa quando governou e hoje suportam os muros do labirinto em que Passos Coelho se encerrou.
Tal como Passos e Cavaco, também eles questionaram a legitimidade da Assembleia da República para recusar  o governo minoritário da coligação PSD/CDS, em favor do governo do PS apoiado pelo PCP e BE. Questionam a democracia.

sexta-feira, setembro 08, 2017

Crime no Facebook

Aqui ao lado, em Espanha, uma mulher de 45 anos, uma senhora portanto, ficou assanhada com as declarações de uma deputada do partido  Ciudadanos e foi desabafar no Facebook:

Convenhamos qe ser violada por um grupo não é coisa que se deseje a ninguém.

Naturalmente arrependida, perdeu o emprego, é criticada por todos, arranjou um problema para si e para a sua família e não se livra de um processo por crime de ódio.

Os perigos do Facebook são vários, sobretudo para quem o usa para desabafar...


quarta-feira, setembro 06, 2017

Teorias de conspiração

Apagado o fogo, as atenções do PSD e do CDS voltaram-se para o dinheiro dos donativos, insinuando que o governo o terá desviado.
O governo esclareceu que só controla um fundo com cerca de 1,9 milhões de euros, muito longe dos 13 ou 14 milhões que a oposição de direita diz terem sido recolhidos.

Ao PSD e ao CDS só interessa a chicana política, esquecendo que os tais 13 ou 14 milhões que referem, a existirem, ainda não foram entregues ao fundo controlado elo governo. 
Uma coisa é pedir esclarecimentos, de preferência com bons modos. Outra, completamente disparatada, é começar logo aos tiros para o ar a ver se acertam em alguém.
(Às vezes, faz ricochete e acertam no pé...)


segunda-feira, setembro 04, 2017

Secundario

O desenvolvimento do país precisa de infraestruturas que dependem quase exclusivamente do investimento estatal.
Uma infraestrutura essencial, para o turismo e outros negócios, é o aeroporto de Lisboa que está a rebentar pelas costuras. 

Dado o elevado custo para os cofres do estado, conviria que as decisões relativas a estes investimentos fossem tanto quanto possível consensuais, evitando querelas que criam impasses e atrasam o desenvolvimento. Hoje ninguém discute a barragem do Alqueva, mas as discussões sobre a sua construção atrasaram vários anos a riqueza que trouxe ao Alentejo.

O consenso politico-partidario sobre as infraestruturas interessa ao país. Considerá-lo secundário é mais uma demonstração de irresponsabilidade política de Pedro Passos Coelho.

sábado, setembro 02, 2017

Incendiários

"A Moody’s subiu a perspetiva do rating da dívida pública nacional para positiva, da anterior estável, esta sexta-feira. O rating mantém-se no patamar de ‘lixo’, em Ba1. A agência de notação financeira é, assim, a segunda a dar este passo, depois de Portugal ter saído do Procedimento por Défice Excessivo (PDE)."

Cavaco Silva foi a Castelo de Vide ensinar aos jovens do PSD como se deturpa a realidade.

De seguida foi lá Paulo Rangel, que, à falta de bons argumentos, atiçou, mais uma vez, o fogo de Pedrogão Grande contra o governo.

Cavaco e Rangel não suportam a melhoria do país conseguida por um governo que desmontou a TINA (There is no alternative), a maior mentira política  imposta ao país pelo PSD com o apoio da direita europeia.

Incapazes de conviverem com esta realidade,inventam uma realidade paralela, o que agrava ainda mais o estado de negação patológico em que caíram. 

O país já os conhece e, tirando o séquito que padece do mesmo mal, têm cada vez menos audiência. 

quinta-feira, agosto 31, 2017

Uma aula de ideologia

O professor Cavaco Silva voltou a dar aulas. Felizmente não foi sobre economia nem sobre finanças públicas, onde a sua prática enquanto primeiro-ministro e presidente da República foi desastrosa.

Desta vez voltou-se para a ideologia, que diz combater, mas o que ele combate é tudo o que lhe cheire a esquerda, como sempre.
Desde que Francisco Sá Carneiro teve a infeliz ideia de o escolher para ministro das finanças,  o modelo ideológico de Cavaco Silva não se alterou e quando se tornou primeiro-ministro  só não regressamos ao Salazarismo porque a porta da união europeia já tinha sido aberta por Mário Soares.

Cavaco Silva  foi  a Castelo de Vide destilar um pouco do veneno que vem acumulando desde que foi obrigado a dar posse ao primeiro-ministro António Costa. Não aguentava mais e foi despeja-lo sobre quem sabia que o ia aceitar de bom grado: os meninos e as meninas da JSD.

Ao entregar a formação ideológica dos seus jovens a Cavaco Silva, o PSD prestou um péssimo serviço ao país e a si próprio, já que a história não volta para trás por muito que tentem.
Depois do apoio ao candidato racista de Loures e do discurso xenófobo do Pontal, nada melhor do que uma aula de Cavaco Silva para cimentar a deriva de extrema direita prosseguida por Pedro Passos Coelho.


quarta-feira, agosto 30, 2017

"Assalto ao castelo"

A greve que hoje afecta a Auto Europa está a ser designada por antigos representantes dos trabalhadores daquela empresa como "um assalto ao castelo".
Ouço na televisão um eufórico grevista clamando vitória porque hoje não saiu nenhum veículo das linhas de montagem da Auto Europa, donde costumam sair 400 por dia...

Acho que a euforia do grevista não se justifica. Ao invés, se eu fosse trabalhador da Auto Europa estaria preocupado.

Sobretudo se a greve foi, como alguns afirmam, uma manobra dos sindicatos da CGTP para controlarem uma empresa que tem escapado ao seu domínio .

Durante 25 anos, os trabalhadores da Auto Europa souberam estabelecer acordos sem recurso a paralisações. A CGTP não tem um currículo famoso a fazer acordos. Começar por fazer uma greve para assinalar a sua entrada  não augura nada de bom.

Ouço também um dirigente do sindicato afirmar que não teme a deslocalização da empresa para fora de Portugal. Não sei se este dirigente sindical é trabalhador da Auto Europa, provavelmente não é.
Em qualquer caso,  estas declarações indiciam uma leviandade provocatória, que  pode pôr em risco a estabilidade laboral de muitos milhares de famílias  que dependem directa ou indirectamente daquela empresa.

Brincar com o fogo não costuma dar bom resultado.

terça-feira, agosto 29, 2017

Morder a língua

"Quando foi ministra... Cristas queria ter feito mais pela floresta. Mas não fez". (título do Expresso) 

E,  no entanto, ainda não se calou a exigir a demissão da ministra da administração interna. 
Para quem tem tantas culpas no cartório, Assunção Cristas não devia atirar pedras aos telhados alheios. 

Para andar na política é preciso ter lata, mas é contraproducente abusar e tem o efeito oposto ao desejado. 





segunda-feira, agosto 28, 2017

"Algum mérito..."

Repetidamente desmentido pela realidade, Pedro Passos Coelho acaba de adoptar a tática dos cobardes: "se não os podes vencer, junta-te a eles".

Ao reconhecer algum mérito do actual governo na melhoria económica do país, embora logo de seguida o reivindique também para a sua governação, o líder do PSD não faz uma apreciação justa e nem sequer se aproxima da generosidade que  quer demonstrar. 

De facto, a melhoria do país vai muito para lá da economia que,  sendo importante, não esgota o sentimento de bem estar que se vive no país. 

Se na oposição Passos Coelho nada fez por isso, enquanto governou fez recuar a economia mais de dez anos e, pior ainda, provocou fracturas sociais entre gerações e classes sociais que só não tiveram consequências graves porque o bom senso dos portugueses acabou por prevalecer. 
Compete aos militantes do PSD fazer o resto. 

domingo, agosto 27, 2017

Os meninos e as meninas

A Porto Edtora teve a infeliz ideia de publicar uns cadernos de exercícios escolares diferentes para rapazes e raparigas o que, naturalmente, provocou reações de quem viu nisso uma discriminação de género, algo que nem o bom senso nem a constituição da república permitem.

O Ministério da Educação quis acabar com a polémica e terá sugerido à editora que retirasse os livros do mercado o que foi aceite.

Surpreende por isso que, em vez de reconhecer o erro cometido pela sua editora, um  administrador venha agora insurgir-se contra o governo por ter recomendado a correção da asneira.

Pela extrema influência que têm na educação infantil, as imagens e os conteúdos dos manuais escolares devem respeitar os valores e princípios constitucionais, como a igualdade de género, não podendo depender do critério de qualquer administrador, certamente mais preocupado com as respectivas vendas.

O assunto é demasiado sério para ser deixado ao critério das editoras.

Marcelo na bicha

Ver um presidente da república na fila do multibanco não será habitual, mas Marcelo Rebelo de Sousa também não é um homem comum, embora goste de parecer.
Sendo porém um homem moderno, é estranho que ainda não tenha aderido ao homebanking...

sexta-feira, agosto 25, 2017

Sair dos armários

Se alguém está fechado num armário. ou gosta de estar fechado, ou tem medo de estar cá fora.
Ao decidir sair tem duas hipóteses: ou o faz discretamente ou apregoa aos quatro ventos.
Qual das hipóteses é mais corajosa?

Às vezes parece que o mais difícil  é conviver com  a indiferença. 

segunda-feira, agosto 21, 2017

Respeitar os árbitros


Quem quer ser respeitado tem de respeitar os outros. 
Com cara.... e pu... não há respeito nenhum.

Dúvidas radicais

Numa entrevista recente, António Costa avançou com a necessidade de um consenso alargado, nomeadamente com o PSD, no que respeita aos investimentos estruturais aproveitando os fundos europeus previstos a partir de 2020. 
Como já vem sendo hábito, em teoria, todos estão abertos a consensos. Na prática porém, entre o PSD e o PS nunca se conseguem. 

Neste caso, os comentadores habituais da direita começaram por duvidar da honestidade da proposta do primeiro-ministro. Começar por duvidar de uma proposta põe em causa muito mais a honestidade de quem duvida do que de quem a propõe... 

Talvez os comentadores de direita tentem dar uma mãozinha ao líder parlamentar do PSD, que rejeitou liminarmente a proposta de António Costa.  Bem precisa. 

De facto, se o principal partido da oposição recusa participar na procura das melhores soluções para os investimentos estruturais do país, arrisca-se a ficar afastado da governação do país por tempo indeterminado.

O país não pode depender de um partido que rejeita consensos em matérias tão essenciais. Só o radicalismo  que domina ideologicamente esta direcção do PSD explica tão desastroso comportamento.

domingo, agosto 20, 2017

Em bicos de pés

A associação dos sargentos da GNR achou que lhe competia vir a público questionar a declaração de calamidade pública decretada pelo governo para estes dias de calor excepcional, que previsivelmente aumentaria o risco de incêndios florestais.

A dita associação fundamenta a sua intervenção pela escassez de meios da GNR para fazer face às responsabilidades derivadas daquela declaração.


As associações de cariz sindical gostam de intervir para 
 condicionar a gestão de pessoal das instituições a que os seus associados pertencem, embora a lei não lhes reconheça essa competência.

Acresce que a GNR é uma instituição hierarquizada, e,  antes de chegar aos sargentos, a responsabilidade pela gestão dos efetivos tem vários degraus.



sábado, agosto 19, 2017

Ir ao bolso de mansinho


Para a Meo, o provérbio "quem cala consente" equivale a uma declaração contratual, o que não deixa de ser uma pérola jurídica.

Desta vez, porém, a Anacom estava atenta e, embora tardiamente, acabou por proibir esta marosca, obrigando a declarações de acordo por escrito, como manda a lei.



sexta-feira, agosto 18, 2017

Um verão para esquecer... ou talvez não

Incêndios como nunca se viram, seca que obriga a tirar os peixes das albufeiras para garantir a qualidade da água, declaração de calamidade pública por causa do calor, terrorismo em Barcelona, ameaças de conflito nuclear, violência na Venezuela, conflitos raciais nos Estados Unidos...
Que mais nos reservará este verão que ainda não acabou?

Por cá, parece que ninguém tem dúvidas quanto à necessidade de ordenar a floresta e protegê-la. Porém, quando se trata de avançar com as soluções para atingir aqueles objectivos, a clubite partidária impede os consensos para aprovar as respectivas leis. Os políticos que ocupam as cadeiras do parlamento gostam de atirar para o governo toda a responsabilidade do que se passa no país, mas isso é uma grandecissima trapaça.

A responsabilidade pelas leis é em primeiro lugar do parlamento. Por outro lado, as câmaras municipais não podem olhar para os incêndios do seu município como uma fatalidade. Permitir a construção de residências no meio de pinhais em que o mato cresce até a porta das casas, é um convite a tragédia.

A melhor homenagem que o país pode prestar às vítimas dos incêndios é exigir medidas que evitem a sua repetição. A oportunidade está aí. Se for aproveitada, talvez a esperança ainda não morra neste verão...

terça-feira, agosto 15, 2017

Perseguido pelo passado

"Passos Coelho não esteve preocupado com os criminosos que viriam viver para Portugal quando aprovou a lei dos vistos gold. Agora diz estar em causa a segurança do país com as novas regras para a imigração. Na primeira lei ignorou os efeitos colaterais. Na segunda lei só vê efeitos colaterais."

segunda-feira, agosto 14, 2017

Invenções e realidades

Enquanto o CDS de Cristas faz da demissão de ministros um programa de governo, Passos Coelho é mais imaginativo e não tem pruridos em recorrer à mentira. Quando um dia se identificarem os mandantes dos incendiários, só haverá surpresas para os distraídos...

Realista e pragmático, António Costa não perde tempo a responder às provocações e os resultados estão à vista. A direita pode continuar a tentar incendiar o país à custa dos fogos florestais, mas nem os ministros lhes fazem a vontade, demitindo-se, nem a realidade se altera com as suas mentiras: o desemprego continua a baixar e a economia continua a crescer.



domingo, agosto 13, 2017

Desconfianças e certezas

Há muito que desconfiava. Agora tenho certezas. "A meteorologia não provoca incêndios", dizem os entendidos.
Se não é a meteorologia alguém será...
Em Portugal, incêndios com a dimensão dos das últimas décadas são fenómenos relativamente recentes, e nunca o estado gastou tanto a combatê-los.

Se não houver incêndios, ganhamos todos. Porém, alguns ganham mais quando o país arde. Provavelmente, se não houver incêndios, vão à falência e quanto mais arder mais ganham.
Follow the money...

sexta-feira, agosto 11, 2017

Acasos de Agosto

Favorecer os padrinhos fica bem aos afilhados. A menos que o afilhado seja magistrado e o favor no exercício da profissão...

O actual bastonário da ordem dos médicos defende que o exercício da medicina configura uma profissão de desgaste rápido, o que justificaria a reivindicação de querer a reforma dos médicos antes dos sessenta anos.
Provavelmente o bastonário refere-se apenas à reforma do SNS. Imagine-se a reação se os obrigassem a fechar os consultórios quando se reformam...

segunda-feira, agosto 07, 2017

Conselho sério

quinta-feira, agosto 03, 2017

Maduros

Ele há cada um... São uns maduros.
Piadas à parte, por estes dias, quando se fala de maduros aponta-se para a  Venezuela, um país caribenho encravado entre o Brasil  e  a Colômbia, com uma pontinha da Guiana e uma extensa costa do mar das caraíbas. Com mais de 30 milhões de habitantes e dez vezes mais de área que Portugal, desde que o rei de Espanha, Juan Carlos, mandou calar Hugo Chavez nunca mais saiu das primeiras páginas dos jornais. 
Prematuramente morto, Chavez fez questão de nomear o seu sucessor,  como se a auto-designada "Revolução Bolivarina" fosse uma monarquia. 
Aparentemente, Maduro não  herdou apenas o poder, mas também as camisas usadas pelo antecessor. 
A história ensina que as experiências democráticas nos países da América do Sul são efémeras, atribuindo-se as culpas ao vizinho da América do Norte, que supostamente prefere governos de direita, ainda que ditatoriais, a qualquer outro de esquerda, ainda que democrático.   

O actual regime Venezuelano reclama-se democrático e de esquerda, ainda que tal  não seja reconhecido pelas generalidade dos partidos da esquerda democrática. 
Do alto da sua prosápia, Nicolas Maduro responde com ameaças comparáveis às do ditador da Coreia do Norte, com quem parece coincidir nos aliados.

Se outros factores não houvesse,  a prisão de opositores políticos elimina qualquer hipótese de o regime de Maduro poder ser considerado democrático. O apoio do PCP a tal regime só não espanta porque, tanto quanto se sabe, ainda não retirou o seu apoio ao regime norte-coreano. Questões de coerência, portanto, não de democracia.


quarta-feira, agosto 02, 2017

Incomodados

Não sou um grande utilizador do Facebook, mas por razões de contacto com familiares ausentes mantenho uma página aberta, onde aparece o que quero,  o que não quero e o que me é indiferente.
Ultimamente tenho-me divertido a seguir a polémica entre "Os  Truques da imprensa portuguesa" e alguns jornalistas que se sentem visados pelas descobertas do Truques. De facto, não passa um dia sem que os Truques  não descubram a careca  deste ou daquele jornal ou jornalista. Na ânsia de vender jornais e causar impacto na opinião publica, os jornais e as televisões deixaram para segundo plano o rigor da informação. Digamos que os factos deixaram de interessar à imprensa. O que interessa é a emoção.
Por não ligar aos factos, toda a comunicação social andou atrás de mortos que não existiam e a propagar boatos que nunca se confirmaram.   

Atacar os Truques por denunciarem tais procedimentos, são prenúncios de má-fé

segunda-feira, julho 31, 2017

chicos espertos

A SIC mandou alguns jornalistas à Venezuela, supostamente para acompanhar a votação de ontem. Porém, em vez de requerem o visto de acreditação, como lhes competia, apresentaram-se com vistos de turistas e não os deixaram entrar.
A SIC tem vindo a armar-se em vitima, faltando à verdade ao propagar que os seus homens foram expulsos da Venezuela. Ninguém é expulso de um lugar onde não entrou.
As chico-espertices nem sempre resultam.

sábado, julho 29, 2017

Jornalismo livre e...responsável

Depois da barraca da semana passada, que anunciou ao país haver mais mortos provocados pelo incêndio de Pedrogão do que os 64 anunciados, o Expresso tenta justificar-se  brandindo armas contra os que criticaram a manchete,  acusando-os de   odiarem o jornalismo livre.

O Expresso não para de nos surpreender, mas inventar inimigos para se justificar não é uma boa surpresa. A manchete da semana passada foi do pior jornalismo que já se praticou em Portugal. Não tem justificação.

Publicar atoardas sobre o número de mortos duma tragédia não é jornalismo livre. Nem sequer é jornalismo, é chicana.

quinta-feira, julho 27, 2017

Liberdade e libertinagem

Sem liberdade de imprensa não há democracia. Porém, a libertinagem em que caiu a comunicação social portuguesa nada tem de democrática. Está mais próxima do fascismo.

O tratamento jornalístico do incêndio de Pedrogão e a especulação sobre a lista das vítimas que provocou, vieram demonstrar mais uma vez que a maioria dos órgãos de comunicação social não produz informação fiável, deturpando a verdade em favor das agendas políticas da oposição de direita.






quarta-feira, julho 26, 2017

A invenção dos mortos

Pela boca de Passos Coelho, o país soube que havia gente a suicidar-se na sequência dos incêndios.
Afinal era mentira. Os pretensos suicídios serviam apenas para atacar o governo.
Não satisfeitos em inventar suicidios, resolveram inventar mortos, que só existiram nas suas cabeças desequilibradas.

Para esta corja, nem os mortos merecem respeito.